Alimentos Saudáveis

ALIMENTOS SAUDÁVEIS

Alimentos saudáveis e sem venenos para todas as pessoas

Promover o consumo de alimentos saudáveis e sem venenos é uma bandeira permanente do nosso mandato. Nossa trajetória é de articulação de ações de fomento à produção e à conversão agroecológica na zona rural da capital; de apoio à implementação de hortas urbanas, pelo bom funcionamento das feiras orgânicas públicas, assegurando a legitimidade dos processos coletivos que constituíram Porto Alegre como modelo para outros estados e municípios.

Nossa contínua luta é pela promoção de uma alimentação saudável e livre de agrotóxicos para todas e todos, em especial para que a população mais carente da nossa cidade tenha acesso às políticas públicas de combate à fome, com garantia de alimento saudável.  O incentivo e estímulo de hortas urbanas, em espaços públicos e privados, como escolas, parques e praças, podem ajudar muito!

Nos últimos anos, os que governaram nossa Porto Alegre, o Estado e o Brasil, desconstruiram os avanços dos governos petistas. Voltamos a estar no Mapa da Fome, o agronegócio ganha espaço para atacar conceitos de alimentação saudável, como os do Guia Alimentar para a População Brasileira, a prioridade tem sido a exportação em detrimento da garantia de estoques para a segurança alimentar da população, e a Prefeitura nem a lei dos orgânicos cumpre.

Porto Alegre precisa mudar e iniciar um caminho novo, um novo ciclo, uma retomada para voltar a ser exemplo para o país, a partir do fomento à agroecologia.

Agora é mudança. Agora é Manuela Prefeita e Rossetto Vice!

Leia as propostas no Programa de Governo
Cidade Viva! Humana, igualitária e participativa Alimentos saudáveis e sem venenos para todas as pessoas Cidade Viva! Humana, igualitária e participativa

Nosso mandato retomará a tramitação dos projetos ainda não aprovados e buscará fazer cumprir a Lei dos Orgânicos na Merenda, trabalhando firme para que todas as pessoas tenham acesso à alimentação saudável.

NOSSOS PROJETOS: 

Assegurar orgânicos na merenda: Desde 2017 vigora a lei que obriga o Executivo a adquirir e destinar, até o percentual de 50%, produtos orgânicos para a merenda escolar na rede municipal de ensino. Nestes quase quatro anos de vigor da lei o percentual não alcançou 2% ao ano. Faltou ao poder público boa vontade ou capacidade de gestão para organizar a modalidade de compra adequada à disponibilização da variedade produtiva orgânica necessária.

Fortalecimento ao processo coletivo das Feiras Orgânicas: Para assegurar critérios de seleção e permanência de expositores é essencial o diálogo e o acompanhamento das feiras em seus espaços públicos, reconhecendo o processo coletivo consensuado entre os feirantes, modelo consagrado e seguido por outros municípios.

Comprar 30% da agricultura familiar: Nosso projeto determina ao Executivo adquirir da agricultura familiar 30% de todas as compras de refeições regulares, abrangendo a rede socioassistencial e de saúde, todos os hospitais municipais como o HPS e o Hospital Presidente Vargas. A intenção é incentivar o consumo de alimentos saudáveis, garantir a compra de produtos locais, frescos, com menor periodicidade, valorizando as cadeias curtas de comercialização e promovendo a valorização da agricultura familiar.

Dia sem carne: O projeto institui o Programa Dia sem Carne, para incentivar a prática da alimentação vegetariana e da filosofia vegana. A intenção é que, ao menos uma vez por semana, não seja oferecida carne e seus derivados em estabelecimentos prestadores de serviços de refeição das administrações direta e indireta no município. Um dos objetivos é reduzir o consumo excessivo de carne e suas implicações na saúde humana e do planeta.

Estímulo às cadeias curtas: Valorização de espaços de comercialização que facilitem a venda direta do produtor ao consumidor, buscando o relacionamento entre quem produz e quem consome, com gêneros frescos, preços justos sem atravessadores.

Mais feiras orgânicas: Estimulando a descentralização e multiplicação de feiras, com alimentos de qualidade e sem agrotóxicos, em 2014 propusemos a instalação de Feira Ecológica na Câmara, que veio a ser viabilizada em 2019, graças ao apoio de vários parlamentares.

Segurança alimentar: Defendemos o direito humano à alimentação saudável e livre de venenos químicos, propondo ações de combate ao desperdício de comida. Por isso, frente à extinção do órgão federal, articulador institucional de políticas públicas para garantia de alimento e combate à fome, defendemos a manutenção do Conselho Estadual de Segurança Alimentar (Consea-RS).

Apoio à assessoria técnica: Articulação para fortalecimento do Centro Agrícola Administrativo (CAD) e manutenção do convênio do Executivo com a Emater para ampliação do atendimento aos produtores locais e feirantes, contribuindo para a qualidade da oferta de alimentos.

Enfoque ao saudável nas políticas: Projeto propõe a alteração do nome da política de combate à obesidade e ao sobrepeso Porto Alegre Mais Leve, para Porto Alegre Saudável.

Regulamentação de hortas urbanas: Requer a normatização do Programa Municipal de Agricultura Urbana que consiste na ocupação de áreas urbanas como terrenos ociosos públicos e particulares cedidos para o cultivo de hortifrutigranjeiros.

WhatsApp chat