Cidade Acessível

CIDADE ACESSÍVEL

Cidade acolhedora e acessível

Incentivamos a ocupação dos espaços públicos para as pessoas; defendemos a reforma urbana e o acesso à habitação para todas as famílias. Apresentamos projetos e auxiliamos a mobilização para assegurar e ampliar políticas públicas de emancipação de comunidades vulneráveis com protagonismo local, combatendo a gentrificação e fomentando acesso à moradia digna e o aumento de Áreas Especiais de Interesse Social.

Estamos na luta pelo reconhecimento dos territórios indígenas e quilombolas, pela preservação do patrimônio histórico e socioambiental, com valorização da memória, pertencimento e proteção ao valor imaterial. Fomentamos a participação popular em fóruns públicos para formulação coletiva e transparente de diretrizes e projetos de interesse público. Atuamos no controle de gastos do setor público e no incentivo à criação de ferramentas de transparência e participação digital na definição e acompanhamento de políticas públicas, promoção da inclusão digital e do acesso público à internet.

Quando governamos Porto Alegre, fizemos em 15 anos quase o dobro de unidade habitacionais (12.000) dos 15 anos anteriores (7.400). Os governantes dos últimos dezesseis anos nem concluíram os Minha Casa Minha Vida do Lula e da Dilma, não há acesso livre à Internet e as pessoas mais vulneráveis foram deixadas de lado.

Porto Alegre precisa mudar e iniciar um caminho novo, um novo ciclo, uma retomada para que as pessoas tenham direito aos equipamentos de uma cidade moderna.

Agora é mudança. Agora é Manuela Prefeita e Rossetto Vice!

Leia as propostas no Programa de Governo
Cidade Viva! Humana, igualitária e participativa Cidade acolhedora e acessível Cidade Viva! Humana, igualitária e participativa

Nosso mandato retomará a tramitação dos projetos ainda não aprovados e seguirá acolhendo as comunidades mais vulneráveis para que também tenham direito à cidade.

NOSSOS PROJETOS: 

Vereador na Comunidade:- Visita, escuta e encaminhamento de demandas de comunidades vulnerabilizadas pela ausência ou insuficiência de serviços e políticas públicas. Com a equipe do mandato estabelecemos relacionamento com mais de 40 comunidades necessitadas de suporte em áreas como falta de água, regularização fundiária, transporte e mobilidade, pavimentação, Iluminação, esgoto, recolhimento de resíduos, manutenção de árvores que apresentam riscos: encaminhando as solicitações por meio de pedidos de providência aos órgãos públicos.

Revisão do PDDUA com participação: Apoio à articulação de entidades da sociedade civil buscando garantir a participação da comunidade em todas as etapas do processo que conta com financiamento da ONU Habitat.

Participação popular e controle social: Atuação para criar e empoderar conselhos como fóruns deliberativos, fortalecimento de fundos municipais setoriais e a efetiva participação popular na destinação dos recursos públicos.

Vila Esperança como AEIS: Declara como Área Especial de Interesse Social (AEIS) para garantia de moradia para população de baixa renda de ocupação de terra pública a área da Vila Esperança no bairro Agronomia (Subunidade 06 da Unidade de Estrutura Urbana 12 da Macrozona 04 no Regime Urbanístico).

Criação de AEIS Quilombola: Grava como AEIS territórios ocupados por afrodescendentes postulantes à titulação como área quilombola.

Direito à Moradia: Há muita gente sem casa, e muita casa sem gente. O mandato engajado à luta por moradia adequada compreendendo acesso a serviços públicos de esgoto sanitário e prevenção de alagamentos e a reforma urbana. Manutenção e conservação de vias públicas; serviço de transporte coletivo bom e com preço compatível à condição econômica dos que mais precisam; combate à segregação espacial da cidade e integração das pessoas. Encaminhamos inúmeras iniciativas, tanto em projetos de leis como em convocações de comissões, audiências, visitas aos territórios, apoio e acompanhamento a diversas lutas pela terra e inúmeros pedidos de providências.

Gentrificação em foco: Em parceria com a equipe do site Sul21, acentuamos o debate e exposição de fotos denunciando os processos de expulsão de populações mais pobres para a periferia, retiradas de territórios valorizados para favorecer a especulação imobiliária.

Terra Guarani da Ponta do Arado: Defesa do amplo debate para reconhecimento e permanência de famílias Guaranis que ocupam área na Zona Sul, reivindicada como território ancestral.

Ruas da comunidade: Define que a denominação de logradouros públicos deve ser prerrogativa da comunidade junto ao Executivo, retirando a função dos parlamentares como proponentes, permitindo que a denominação esteja adequada ao desejo dos moradores.
Acessibilidade em eventos – Determina instalação de banheiros químicos adaptados às pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida, em módulos individuais, por gênero, em eventos realizados nos espaços públicos com disponibilização de banheiros químicos.

Cadeiras de Rodas na Orla: Sugere disponibilização de cadeiras de rodas ao longo da Orla do Parque Moacyr Scliar.

WhatsApp chat